Rodolfo Domenico Pizzinga

 

 

 

 

Alguns pensamentos são como peidos!1

Fedem dentro e fedem fora.

Ora bolas! Ora peidos! Ora... Ora...

 

 

Peidar dentro do crânio

Envenena a criatura na hora...

E o crânio pode virar um bucrânio.

 

 

Isso parece brincadeira

Mas é coisa muito séria.

Também não é baboseira

E muito menos é pilhéria.

 

 

Há quem viva ruminando

Problemas, maldades, dores, opressões...

O gerúndio é

Para o fim das AFLIÇÕES.

 

 

 

__________

 

_______

Nota

1. Eu conheço uma certa autoridade que fala, peida e arrota ao mesmo tempo. É tudo ao mesmo tempo mesmo. Acreditem se quiserem. Parece filme de terror aerofágico-fermentativo. Um verdadeiro horror! Peida quando fala, arrota quando peida e peida e arrota em variados tons e modalidades. É uma verdadeira orquestra! E acaba não falando nada que preste! E enquanto pensa se vai falar ou no que vai falar, se vai arrotar ou se vai peidar, fica furiosamente tirando meleca. Outro dia não me contive e disse para essa criatura: — Meu amigo, preste atenção. Você precisa tomar cuidado. Você já passou dos cinqüenta. Mas mais cuidado você deve ter com esse seu nariz. Cada dia ele está ficando maior de tanta meleca que você tira. A cor dele até já não é nem mais a mesma de trinta anos atrás. Está com uma cor meio tirante a roxo. Vê se tira menos meleca a ver se ele volta para o lugar e muda de cor. Chazinho de 'chamaímelon'* importado da Grécia costuma dar jeito nessas coisas.

Bem, o sentido que desejo expressar e imprimir com o neologismo 'pensapeido' e com a imagem pensamentos são como peidos (alguns pensamentos) refere-se às artimanhas (procedimentos para levar alguém ao engano) e às orquestrações (articulações de maldades e de mais-valias) produzidas por certas pessoas que vivem, quase que exclusivamente, para desnortear (desencaminhar) e usurpar o que conseguem desnortear (desencaminhar) e usurpar do próximo e do país (Estado). Isso acontece no Mundo inteiro. A arquitetação permanente acaba degenerando e destruindo o indivíduo por dentro em um processo autofágico-entrópico semelhante a uma flatulência do Cósmico, que no atual estágio recicla por ingestão/digestão mundos e seres. Só que o Cósmico não engendra nada, mas algumas criaturas parece só viverem para isso. Resumindo: um 'pensapeido' é, ao mesmo tempo, agente e paciente, produtor e destruidor, ato e conseqüência de uma vontade–2, menor e subserviente, que se sujeita à uma vontade–1 servil e de natureza destrutiva (produzida e alimentada pelo próprio indivíduo) – para o 'engendrador' e para o(s) outro(s) por ele manipulados. As conseqüências são obviamente funestas.

* Camomila em grego. Em latim é camomilla.

 

 

 

The Good, The Bad And The Ugly (Ennio Morricone)

Fonte:
http://midi.foldina.cz/