Rodolfo Domenico Pizzinga

Música de fundo: I Was Mad
(Pet Shop Boys)

Fonte: http://www.lyricplaza.com/midi-ringtone/Pet-Shop-Boys.htm

 

 

Comunicação Interna nº 1

De: Presidente
Para: Diretor

Na próxima sexta-feira, aproximadamente às 17 horas, o cometa Halley passará por esta área. Trata-se de um evento que só ocorre a cada 76 anos. Assim, por favor, reúna todos os nossos funcionários no pátio da fábrica. Todos deverão estar usando capacete de segurança, e, na oportunidade, eu explicarei o fenômeno a eles. Se estiver chovendo, infelizmente não poderemos ver o raro espetáculo a olho nu; sendo assim, todos deverão se dirigir ao refeitório onde será exibido um filme-documentário sobre o cometa Halley.

 


Comunicação Interna nº 2

De: Diretor
Para: Gerente

Por ordem do nosso Presidente, na sexta-feira, às 17 horas, o cometa Halley vai aparecer no pátio da fábrica a olho nu. Se chover, por favor, reúna todos os funcionários com seus capacetes de segurança e os encaminhe ao refeitório, onde o raro fenômeno terá lugar, o que só acontece a cada 76 anos.

 


Comunicação Interna nº 3

De: Gerente
Para: Supervisor

A convite do nosso querido Diretor, o cientista Halley, de 76 anos, vai aparecer nu, às 17 horas, no refeitório da fábrica usando um capacete, pois vai ser apresentado um filme sobre o raro problema da chuva na segurança da empresa. Depois, o Presidente da Empresa fará uma demonstração no pátio da fábrica.

 


Comunicação Interna nº 4

De: Supervisor
Para: Chefe de Produção

Na próxima sexta-feira, às 17 horas, o Presidente, pela primeira vez em 76 anos, vai aparecer nu no refeitório da fábrica para filmar o famoso cientista Halley e toda a sua equipe. Todo mundo deve comparecer de capacete, pois vai ser apresentado um show espetacular sobre a segurança na chuva. Em um gesto comovente, o Diretor contratou uma famosa banda que se apresentará para todos os funcionários no pátio da fábrica.

 


Comunicação Interna nº 5

De: Chefe de Produção
Para: Funcionários


Todo mundo nu, sem exceção, deve se juntar aos seguranças no pátio da fábrica na próxima sexta-feira, às 17 horas, pois o Sr. Presidente e o Sr. Halley (um guitarrista muito famoso) estarão lá para divulgar o raro filme Dançando na Chuva. Caso comece a chover mesmo, todos devem, imediatamente, com os seus respectivos capacetes, se dirigir para o refeitório. O show ocorre a cada 76 anos, logo ninguém pode perder. Gene Kelly confirmou presença.

 


Comunicação Interna nº 6

Aviso Geral:

Na sexta-feira que vem o Presidente irá fazer 76 anos e liberou geral para uma festa que acontecerá às 17 horas no refeitório. Vão estar lá, pagos pelo manda-chuva, Bill Halley e seus Cometas. Todo mundo deverá comparecer nu, usando apenas o seu capacete, porque depois, no pátio, uma banda de rock muito louca vai rolar solto, mesmo em caso de chuva. Gene Kelly
foi convidado, mas avisou que não poderia comparecer, pois vai gravar um show com o Frank Sinatra e a Ella Fitzgerald.

 

 

Comentário entre os funcionários da empresa: — Vai ser uma zorra total. É boca-livre mesmo com todo mundo nu. Até a secretária do Presidente, que tem 65 anos, vai ficar completamente nua! Eles, inclusive, autorizaram a gente a trazer a família! Isso vai ser uma loucura! Tão dizendo que um tal de Halley Davidson vem com a sua motobanda tocar e cantar pra nós! Quem vinha também era o Gene Hackman, mas teve que viajar de urgência para a França para passar por uma operação secreta muito delicada. Dizem que vai se operado pelo Dr. Frank Avalon e pela Drª Ella Kilpatrick. Agora não sei como é que vai ser isso, porque o tal do Halley tem 76 anos e é perneta! Perdeu a perna queimada por um cometa e ficou sem receber socorro por 17 horas! Já pensou que coisa horrível! Isso é uma falha gravíssima da segurança que cuida da motobanda dele. Capacete é para ser usado!

 

 

 

 

É exatamente isso. É isso que acontece diariamente. Alguém conta alguma coisa para alguém... Que conta para alguém... Que conta para alguém... Que conta para alguém... E, no fim da linha, a estória ou o fato geralmente estão completamente deturpados. Analise o conteúdo da frase que inicia a Comunicação Interna nº 2: Por ordem do nosso Presidente, na sexta-feira, às 17 horas, o cometa Halley vai aparecer no pátio da fábrica a olho nu. Como é possível que o Presidente daquela empresa possa ordenar ao cometa Halley que apareça no pátio da sua fábrica? De qualquer forma, esse cometa não poderia aparecer nunca no pátio da fábrica a olho nu. Poderia, sim, aparecer no espaço sideral e ser visto a olho nu no pátio da fábrica. Acho que, adicionalmente, seria conveniente pesquisar mais aprofundadamente o significado e as causas da mitomania (tendência a narrar extraordinárias aventuras imaginárias como sendo verdadeiras, ou hábito de mentir ou fantasiar desenfreadamente, ou ainda, pseudologicamente, organização sistemática da mentira).

Por outro lado, eu fico pensando, particularmente, nos episódios históricos referentes às vidas dos grandes místicos. As distorções acabam ocorrendo também por conta do fervor e da admiração que as pessoas têm por esses seres especiais. Especiais, bem entendido, porque assim se fizeram, porque gravaram seu DNA místico na Consciência Cósmica. Mas estou convencido de que não devem ficar satisfeitos quando por aqui são inventadas maluquices a respeito deles. Eu não acredito, por exemplo, que Jesus tenha dito que ninguém poderá conhecer o Pai se não for por Seu intermédio. E se disse, continuo a não acreditar, porque ninguém poderá depender de quem quer que seja para Nascer — só de si próprio! Essa afirmação creditada a Jesus é uma manipulação teológica barata que não faz o menor sentido. Ele nunca poderia ter dito isso. Acredito, sim, que aquele que imitar o Cristo Jesus, construirá para a eternidade seu Mestre Interior. Esse é um possível princípio de Caminho. Mas quem optar por imitar a vida de Buddha, de Gandhi, de Madre Teresa de Calcutá ou de outro grande místico, também acabará chegando Lá.

Portanto, é preciso muito cuidado com os relatos, sejam eles de 2.000 anos atrás, sejam tais relatos de uma semana atrás. Aliás, enfim o que importam os relatos? O que realmente poderá interessar, hoje, se o Mar Vermelho abriu, se não abriu, se foi um tsunami anunciado, ou se é um mito educativo como, por exemplo, as estórias bíblicas de Jonas, de Davi e Golias e de Sansão e Dalila? E qual a importância dos ditos 'milagres' que acontecem com os outros? Precisamos avaliar (ou reavaliar) nossa fé, que, na realidade, será sempre inútil e infantil se fundada em experiências alheias — verídicas ou fraudadas. Não há verdades absolutas fundamentadas em qualquer revelação ou em uma fé teológica, simplesmente porque não podem existir verdades absolutas. Tudo é relativo, inclusive a razão e a ciência. Mas, não posso desqualificar uma Revelação autêntica, que nada mais é do que um degrau em uma escada ilimitada, à qual alguém – exclusivamente pelo seu próprio mérito – pôde ter acesso.

Disso tudo, para concluir, penso o seguinte;

a) Não interessam relatos de fatos extraordinários, pois eles, em princípio, não servem para nada. Só interessam se forem educativos, e, mesmo assim, é necessário saber e avaliar a que tipo de educação são destinados. A fé (consciência consciente adquirida) ativa e proativa remove montanhas! Sim. Mas remove particularmente as nossas montanhas interiores cheias de preconceitos, de julgamentos distorcidos e de impedimentos criados apenas por nós. Portanto, por exemplo, uma experiência mística autêntica só tem valor se vivenciada pelo indivíduo, e, presuntivamente, só tem valor para esse indivíduo e para mais ninguém. Não há Misticismo por transferência nem Iniciação remunerada.

b) Ninguém deve reproduzir o que ouviu. Reproduzir fofocadas poderá, no limite, causar um desastre pessoal e até social. Um místico, expecialmente, não poderá jamais esquecer de que é responsável por seus pensamentos, suas palavras e seus atos. Falar é criar; fofocar é destruir.

c) Devemos filtrar com todo cuidado as informações que recebemos. O envenenamento mental é um fato indiscutível, pois aquilo que ouvimos ou lemos e aceitamos como verdade (quando aceitamos) passa a agir em nosso interior, tenhamos ou não consciência dessa ação. E determinadas informações passam a funcionar como catalisadores para doenças que nem de longe desconfiamos que se formaram a partir de besteiras às quais demos crédito.

 

 

d) Repito: precisamos ter o mais absoluto cuidado com o que falamos ou divulgamos. No mínimo seremos responsabilizados por essas informações, mesmo que sejam bem-intencionadas.

e) Ao transmitirmos uma informação recebida devemos ter o cuidado de ser fidedignos. Colorir, aumentar, apocopar etc. uma informação é um ato injustificável.

f) No âmbito do misticismo, nossas experiências pessoais só dizem respeito a nós. Divulgá-las é profaná-las. Excepcionalmente podem ser divulgadas, mas apenas quando tiverem uma finalidade educativa, e só neste caso poderão ser tornadas públicas. De qualquer forma, precisamos meditar muito se vale ou não a pena divulgar um fato qualquer.

g) Precisamos estar sempre atentos às ilusões que os nossos sentidos insistem em nos impor. A animação abaixo, produzida a partir de ilusões de ótica conhecidas, reforçam estas considerações. Mas, não podemos esquecer de que somos iludidos também pelo tato, pelo olfato, pela audição e pelo paladar. E também por algumas (ou muitas) de nossas reflexões e pelos entendimentos delas decorrentes.